Saúde Legal

Como reconhecer os sintomas de apendicite

Sintomas são muitas vezes confundidos com outras doenças.
por Saúde Legal
01/09/2014 14:04h

A apendicite é uma inflamação no apêndice, quando a área do intestino se encontra bloqueada. O apêndice tem cerca de 10 centímetros e se localiza na parte inferior do abdômen, do lado direito. Muitos dos seus sintomas são parecidos com outras doenças (cálculo renal, outras doenças do intestino ou cistos de ovário) e confundem até os médicos mais experientes. Assim, aprenda a reconhecer uma apendicite e evite o tão temido "estrangulamento", que é quando ocorre a ruptura do apêndice.

No geral, a apendicite se inicia com uma dor em torno do umbigo, que se espalha para a parte inferior direita do abdômen, bem acima do osso do quadril. A dor piora quando você pressiona com a mão sobre o local, quando caminha, faz algum esforço ou ao tossir.

Em um período de 12 a 24 horas outros sintomas, menos comuns, podem aparecer: febre, calafrios, prisão de ventre, vômitos, diarreia, náuseas, tremedeiras, dor nas costas e constipação. Atenção! Se aparecer febre acima dos 40º C e vômitos vá imediatamente ao hospital.

Como reconhecer os sintomas de apendiciteApendicite se localiza na parte inferior direita do abdômen

Em suspeita de apendicite, procure o pronto-socorro mais próximo, pois a ruptura do apêndice (apendicite supurada ou estrangulamento) pode evoluir para uma infecção perigosa. Procure também não utilizar laxantes para não irritar ainda mais as paredes do intestino. Nem utilize analgésicos, já que podem mascarar a dor e atrapalhar no diagnóstico preciso da apendicite.

A cirurgia para remoção do apêndice (apendicectomia) hoje em dia já não é tão invasiva e não deixa cicatrizes enormes como antigamente. Portanto, não deixe de consultar o médico na suspeita da doença.

Quanto à prevenção, infelizmente ainda não existem métodos específicos para evitar esse tipo de inflamação. Alguns médicos recomendam evitar comer frutas e legumes sem suas sementes, mas não existem evidências científicas que comprovem tal fato.

Leia também:Qual o tempo ideal de duração da relação sexual?

Jeferson Machado Santos.CRF-SE: 658.

Farmacêutico pela Universidade Federal de Sergipe - UFS.Habilitação em Bioquímica Clínica pela Universidade Federal de Sergipe - UFS.Especialista em Administração de Empresas pela FIJ-RJ.Especialista em Farmacologia e Interações Medicamentosas pela Uninter-IBPEX.

Gostou? Compartilhe:

Comente Abaixo