Coren constata irregularidades no hospital de Itabaiana (SE)

Problema não se restringe ao HDPGMF. A Atenção Básica não está cumprindo o seu papel, segundo a presidente do Conselho. “O povo de Itabaiana não merece o tipo de saúde que está sendo ofertado
por Redação do Portal Itnet
03/02/2016 13:13h
Atualizado em 03/02/2016 14:15h

Membros do Coren durante fiscalização no hospital de Itabaiana (SE)

Foto: Iane Gois

Por Iane Gois

Após denúncias por parte de usuários do serviço de saúde do Hospital Regional Doutor Pedro Garcia Moreno Filho (HDPGMF), em Itabaiana (SE), membros do Conselho Regional de Enfermagem (Coren) de Sergipe realizaram na noite da última terça-feira (02) uma fiscalização na unidade.

De acordo com a enfermeira doutora Cláudia Mattos, presidente do Coren, apesar de ser uma atividade rotineira, a referida vistoria foi consequência de várias reclamaçõess por parte de funcionários e cidadãos.

Enfermeira doutora Cláudia Mattos, presidente do Coren. (Foto: Iane Gois)

"Várias denúncias chegaram à nossa ouvidoria. Denúncias tanto de profissionais que aqui trabalham, como também da comunidade aqui de Itabaiana e de municípios circunvizinhos, colocando da dificuldade que têm acerca de ter acesso ao hospital, e algumas pessoas colocando que faltavam antibióticos", disse a presidente.

Ainda segundo ela, relatos foram feitos sobre a ausência de enfermeiros no hospital, bem como da presença e atuação de auxiliares de enfermagem em setores críticos, a exemplo da UTI, o que não é permitido por Lei.

Indagada sobre a veracidade das denúncias, Drª Cláudia informou que alguns dos relatos, a maioria, de acordo com ela, foram confirmados, a exemplo da ausência de enfermeiros no turno noturno na Central de Material de Esterilização (CME) e no Centro Cirúrgico, o que gera insegurança à população que busca o hospital e aos profissionais que ali desempenham suas atividades, mas que em nível mais amplo a falha no sistema de Atenção Básica gera sobrecarga.

"O que eu posso ver em nível macro é que ela não se concentra apenas no hospital de Itabaiana, no hospital regional, esse é um problema também originário da Atenção Básica. Vimos aqui nas salas de PS e também na Observação pacientes que poderiam ser atendidos pela Atenção Básica, e, no entanto, estão superlotando o hospital", revelou a gestora.

Medicamentos vencidos encontrados na unidade. (Foto: Ascom/ Coren)

Dentre as irregularidades, chamou a atenção dos membros medicamentos vencidos que foram encontrados na UTI, a ausência de repouso ideal para os profissionais na CME, havendo colchões no chão para descanso, materiais sem data ou sem identificação completa, a inexistência de Manual de Normas e Rotinas, além de um aparelho respirador montado e protegido por luva cirúrgica.

Aparelho hospitalar irregularmente protegido por luva. (Foto: Ascom/Coren)

Ressaltando que a direção do hospital, bem como a Fundação Hospitalar de Saúde serão devidamente notificadas, Drª Cláudia disse que será estipulado um prazo para que as irregularidades sejam corrigidas e, caso não haja ação efetiva, novas notificações serão emitidas, podendo haver a necessidade de ação judicial e consequente interdição de alguns setores.

Em contato com o coordenador assistencial do hospital, Waltenis Braga Junior, o portal foi informado de que as medidas necessárias serão adotadas. "Reconheco que algumas irregularidades foram identificadas e garanto que buscaremos a regularização em prazo hábil. É fato que a demanda aqui é muito grande, afinal, assim como a própria presidente do Coren ressaltou, há um grave problema na Atenção Básica e é aqui que a população busca socorro. Entendo que o papel do Conselho de Classes é justamente esse e, enquanto coordenador assistencial e cidadão itabaianense, só tenho a dizer que essa fiscalização só vem a agregar, de modo a assegurar uma qualidade ainda melhor na prestação de serviço aqui no Hospital Doutor Pedro Garcia Moreno Filho", declarou Júnior.

Gostou? Compartilhe:

Comente Abaixo