Política

OAB-RJ pede cassação de Bolsonaro por apologia ao crime

Requerimento tem embasamento no elogio feito durante votação pelo impeachment ao torturador Brilhante Ustra.
por Redação do Portal Itnet
25/04/2016 11:31h
Atualizado em 25/04/2016 11:33h

OAB-RJ pede cassação de Bolsonaro por apologia ao crime

Bolsonaro "defende o indefensável", diz documentoFoto: Reprodução

A OAB-RJ protocola, nesta segunda-feira (25), no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados o pedido de cassação do mandato do deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) por quebra de decoro parlamentar. O ofício se baseia no elogio ao primeiro militar reconhecido pela Justiça brasileira como torturador, Carlos Alberto Brilhante Ustra, durante o voto pelo impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff, no dia 17.

Ustra, que morreu aos 83 anos em 2015, foi apontado como algoz por dezenas de perseguidos políticos. Um deles, o hoje vereador Gilberto Natalini (PV-SP) disse à "BBC": "Enquanto me dava choques, Ustra me batia com cipó e gritava".

"É inaceitável que se defenda a tortura", diz o texto assinado por Felipe Santa Cruz, presidente da OAB-RJ; Fábio Nogueira Fernandes, procurador-geral da OAB-RJ; Thiago Gomes Morani, subprocurador-Geral da OAB/RJ; e Luciano Bandeira Arantes Presidente da Comissão de Defesa, Assistência e Prerrogativas.

Através de sua assessoria de imprensa, o deputado federal Jair Bolsonaro informou que vai esperar o texto ser protocolado para se pronunciar.

OAB-RJ pede cassação de Bolsonaro por apologia ao crime

Deputado fez apologia ao crime, conforme ralato da OABFoto: Reprodução

Apologia ao crime

Um outro documento entregue pela secional fluminense da Ordem à Procuradoria Geral da República (PGR). O texto acusa o parlamentar de apologia ao crime por "fazer, publicamente, apologia de fato criminoso ou de autor de crime".

Como Bolsonaro tem imunidade parlamentar, a ação penal teria que partir do Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot. Caberá a ele levá-la adiante ou não.

"Não há se falar, também, em imunidade do parlamentar. O mandato outorgado pelo povo brasileiro não autoriza o parlamentar a cometer crimes de ódio e fazer apologia contra a ordem democrática", conclui o texto da Ordem.

Em seu voto a favor do impeachment, no domingo (18), Jair Bolsonaro citou também as Forças Armadas e o comunismo.

"Perderam em 1964, perderam agora em 2016. Pela família e pela inocência das crianças em sala de aula, o que o PT nunca teve. Contra o comunismo, pela nossa liberdade, contra o Foro de São Paulo, pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas nossas Forças Armadas, por um Brasil acima de tudo e por Deus acima de todos, o meu voto é sim"

Do G1

Gostou? Compartilhe:

Comente Abaixo