Saúde e Ciência

Confirmada a relação entre o Vírus Zika e casos de Microcefalia em SE

Mães e bêbes sergipanos de 15 municípios do estado tiveram as amostras de sangue e saliva analisadas.
por Redação do Portal Itnet
01/07/2016 09:07h

Por Iane Gois

Um estudo realizado pelo Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe (Lacen) em parceria com o Instituto de Ciências Biológicas (ICB) pôs fim às indagações acerca da relação do Zika Vírus com a microcefalia, anomalia congênita que tem acometido fetos em todo o país, confirmando a associação.

Na pesquisa, 123 mães e bebês sergipanos tiveram as amostras de sangue e de saliva analisadas, a fim de se investigar anticorpos contra o Zika Vírus e demais patógenos responsáveis pela decorrência da anormalidade nos bebês.

Segundo Cliomar Alves dos Santos, gerente dos serviços de Imunobiologia e Biologia Molecular do Lacen, 52 amostras deram reagentes para Zika IgG, 7 apresentaram resultados indeterminados para Zika IgG e 3 deram reagentes para Zika IgM, dados que foram cruciais para a confirmação do "vínculo epidemiológico e a correlação positiva de que a infecção pelo Zika Vírus provocou a microcefalia nestes bebês".

Ainda de acordo com o farmacêutico bioquímico, através da pesquisa não foi possível apontar a origem do vírus, mas chegou-se à identificação de que o vírus da Zika brasileira possui genes da Zika africana e asiática.

Em todo o estado foi detectado o nascimento de 238 bebês microcefálicos, além de 10 óbitos, de acordo com o Informe Epidemiológico semanal divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio do Núcleo Estratégico (Nest).

PREVENÇÃOSintomas como dor de cabeça, manchas e dores no corpo, além de febre, não devem ser ignorados, e os doentes, principalmente grávidas, devem buscar atendimento em uma unidade de saúde até o quinto dia após o aparecimento de algum dos sinais para que seja feito o exame laboratorial.

*Com informações da ASN

Gostou? Compartilhe:

Comente Abaixo