Opinião

"Serrana Sem Lei" e o modelo provinciano de politizar

Não há respeito, não há civilidade. Prometem saúde e educação, mas na prática tudo é paradoxo.
por Redação do Portal Itnet
26/09/2016 06:55h
Atualizado em 26/09/2016 07:25h

Por Iane Gois DRT 1458/SE

Ruas sujas, resto de pólvora e papel se fazem resquícios do dinheiro. Na igreja, o cântico dos fiéis é interrompido pelo estouro dos foguetes. No hospital os doentes ficam ainda mais sem saúde. Na maternidade, parturientes e recém nascidos são abusados sem nenhuma consideração.

O coreto, de patrimônio público virou suporte foguetório. Na Praça João Pessoa nem mesmo os pássaros têm direito ao silêncio. Nos ouvidos ainda se tem o roncar das motos que, sem escapamento, lembram os trovões. O ar está impuro. A camada de ozônio está sendo bombardeada há dias.Triste cenário esse, retrato da nossa pequena Itabaiana que, gigante em talentos e intelectos ainda se mostra minúscula politicamente.

Modelo arcaico e provinciano de se fazer campanha eleitoral que mais mostra desrespeito e imoralidade à desejo de cuidar de um povo. Até quando o eleitorado permitir - se - á essa submissão, a alienação? Brigas políticas, apostas financeiras por quem vai levar a melhor, inimizades. Estamos falando de Itabaiana, estamos falando do que já se enraizou e se tornou cultural.

Onde estão os poderes? Eles existem de fato? Cadê a consciência humana? A cidade tem sido transformada em cenário de guerra e não há quem faça algo. Por que não aproveitar a reforma eleitoral, embasada na campanha civilizada, e extirpar definitivamente certas práticas que são verdadeiros crimes? Poluição sonora, ambiental, perturbação do sossego.

Por que deixar as ruas cheias de entulho e em campanha prezar por cidade limpa? Para que promessas para a saúde, se nesse momento os senhores que brigam pelo poder colocam a da coletividade em risco? Surdez, asma, processos alérgicos, apenas alguns dos problemas aos quais estamos propensos. Falar de educação? Como, se são os senhores os maiores incentivadores da falta dela ao "alimentar" a baderna que se torna festa?

Senhores magistrados sergipanos, Vossas Excelências, que certamente não moram na "Serrana Sem Lei", bem que poderiam tomar providências e, quem sabe, criar artifícios que pudessem limitar esses abusos advindos do pleito. Senhores vereadores, FISCALIZAR, esse é o papel do parlamentar. Estarão Vossas Senhorias exercendo de fato o comprometimento de representar o povo, ou simplesmente têm sido mantidos no cabresto?

Às polícias, aqui o perdão pela cobrança, afinal se engajados exclusivamente à perseguição dos baderneiros muito deixará de se fazer, mas está nas forças de segurança a única ordem capaz de conter, ainda que provisoriamente, a desordem. Aos candidatos, EU AMO ITABAIANA!!! E vocês?

Aos eleitores itabaianenses, quem não respeita a sua paz merece o seu voto? Quem não respeita o seu direito, a sua liberdade de expressão, é digno da sua escolha? O que dizer quando aquele que afirma querer ser a voz paga pelo seu silêncio?

Fanatismos à parte, paixonites agudas de lado, amores platônicos tratados. Enquanto uns se digladiam, outros comem às nossas custas. Políticos não nos fazem favor, porque somos nós os patrões. Deixemos a alienação de lado e cobremos os nossos reais direitos. Se não for para ser assim, que também sejamos infratores e rasguemos nosso título eleitoral. Quem e por qual motivo haverá de nos punir? Seremos todos "foragidos" da Constituição.

Não seria o voto facultativo o verdadeiro exercício democrático? Caso sim, qual dos que afirma nos representar tem coragem suficiente para lutar por uma postura realmente social? No fim, "é o poder, aceita porque dói menos. De longe falam alto, mas de perto tão pequenos, se afogam no próprio veneno, tão ingênuos. Se a carapuça serve, falo mesmo. E eu cobro quem me deve". Infelizmente política virou comércio.

Foi utilizado no texto trecho da música "É o Poder", de Karol Conka.

Gostou? Compartilhe:

Veja Também
Comentários