Cidade

Veja homenagens feitas a Melciades nas redes sociais

Políticos, amigos, sociedade em geral, consternada, lamentam a grande perda do ilustre itabaianense.
por Iane Gois
16/11/2016 12:59h
Atualizado em 16/11/2016 18:04h

Por Iane Gois

Nas redes sociais a notícia da passagem precoce do gigante Melciades de Souza, 59 anos, ocorrida na última segunda-feira (14) em decorrência de um infarto fulminante tomou todos de surpresa, e as mensagens póstumas brotavam em palavras que já se faziam representação de saudade.

“Se foi meu amigo e irmão Melciades De Souza Souza. Amigo e irmão de muitos aqui, maravilhoso ser humano e artista. Perda incomensurável. O mundo amanhece mais triste, mais pobre, mais medíocre, mais feio. Que os céus o guardem, amigo e irmão. Grato por tê-lo conhecido e pelas dádivas de sua preciosa amizade. Pedreiros destacando”, escreveu Wellington Mendes em seu perfil no Facebook.

E teve até quem visse no colorido diferente do céu a partida.  “A nossa Serra hoje estava assim, tristonha, sem cor... a Pedra Bonita chorou pelo seu filho que partiu cedo demais. Vá com Deus Melciades De Souza Souza, vá em paz”, descreveu Maria do Carmo Costa ao postar que o azul se fazia cinza.

Mestre entre grandes mestres de obra, pedreiros, Mel se sobressaiu pela simplicidade e respeito para com o semelhante, uma realidade postada na linha do tempo do face de Mel por Janisson Acabamentos. “Tive o prazer de dividir o meu profissionalismo, no interior e na capital, com o senhor Melcialde de Souza. E seu diferencial como profissional não está nos grandes projetos e sim na simplicidade do dia-a-dia.Trabalho há 17 anos como pedreiro e nunca consegui comparar senhor Melcialde a outro profissional. Nós pedreiros,para sermos reconhecidos talvez demore muito tempo ,então vem daí a diferença do senhor que sempre ao chegar na obra primeiramente não perguntava "como está a obra? ",e sim "como vai você? Ta tudo bem? ".Eu sempre me sentia privilegiado ao escutar esta pergunta. Com poucas palavras conseguia fazer a diferença.Muito obrigado ,em nome dos profissionais da construção. E sempre que eu fizer um circulo vou me lembrar do senhor.

Externando a perda e relembrando o sono dormido em espaço projetado por Mel, Edmundo Santos escreveu: “hoje a construção civil fica apenas no reboco, com seu tom cinza representando o luto da perda de um dos maiores arquitetos que SERGIPE conheceu, a virtude é que você jamais morrerá nas ruas e avenidas, suas obras estão espalhadas e despertam a atenção de todos que ali passam; jamais morrerá na cabeça de muitos iniciantes e até veteranos, hoje estás sendo velado em uma obra sua. Você fez história, descanse em paz, lenda!”.

Veja outros depoimentos.

"Foi para luz Divina do Senhor, nosso amigo Melciades De Souza Souza, de uma forma, tão inesperada de um homem tão querido, multiprofissional, de uma capacidade ímpar e competência em tudo que fez e fazia, que Nosso Senhor lhe receba de braços abertos, e conforte e console sua família e seus amigos, já saudades amigo". (Aliomar Oliveira Sousa)

"Hoje acordei com um susto ao receber uma ligação não tenho como dizer o como reagi, um grande mestre nos deixou, foi um amigo, patrão, mestre e uma maravilhosa pessoa só tenho que agradecer a Deus por ter tido a oportunidade de ter conhecido essa pessoa maravilhosa. Que Deus lhe abençoe e que esteja ao bons sons do Jazz Melciades De Souza Souza sentiremos saudades. (Eduardo Henrique dos Reis)

"Nosso nobre artista, no último dia 27 de outubro, tinha escrito In Box para Você, como forma de retribuição pelo Projeto da SOFIVA, que estava em execução de forma gratuita, que faríamos uma homenagem ao sr. em nossa futura sede, o texto era esse "Desde já, peço autorização para fazermos uma homenagem ao sr. em um dos espaços de nossa futura sede. Talvez na Sala de Ensaios, na Sala de Música Popular, ou em um espaço, um hall para exposições de artes plásticas. É o mínimo que podemos fazer! Abraço Cultural". Recebi a resposta: "Sem problemas, Anderson". Nosso acordo será cumprido. Descanse em paz, Mestre!" (Anderson da Silva Almeida)

"É com enorme pesar que registramos o passamento do amigo Melciades Souza conhecido por Melciades Arquiteto. Um ser humano digno de respeito e admiração que, sem dúvidas deixa não apenas aos seus familiares e amigos, mas a todos os sergipanos um legado imensurável.
Por onde passou Melciades construiu história e com brilhantismo elevou a nossa querida Itabaiana. Dono de uma genialidade singular ele jamais se deixou levar pelas vaidades humanas, ao contrário sempre se manteve fiel as suas raízes.
Sabemos que a dor da perda é enorme, porém a nossa fé nos faz contemplar Esperança onde existe tristeza e sofrimento, afinal acreditamos nas sábias palavras do Padre Fábio de Melo “a saudade eterniza a presença de quem se foi. Com o tempo esta dor se aquieta, se transforma em silêncio que espera, pelos braços da vida um dia reencontrar”.
Assim, não diremos adeus, mas tão somente, até logo meu amigo". (Deputada Maria Mendonça)

"Recebemos com muita tristeza, a notícia do falecimento do grande itabaianense, Melcíades Souza, vitimado por um infarto fulminante. Um homem multi talentoso, grande profissional da arquitetura e urbanismo, músico, pintor e um amigo querido por todos. Seu talento é visível em vários pontos do estado, com a revolução arquitetônica que tem a sua marca, tanto no setor público, quanto na iniciativa privada. Em nossas administrações na prefeitura de Itabaiana, foi um dos principais responsáveis pelos projetos arquitetônicos. (Luciano Bispo)

"Por que os bons morrem antes? Acordei na madrugada com a notícia da morte de Melciades de Souza, isso mesmo, o arquiteto, desenhista, pintor, musico, o maior artista de minha geração em Itabaiana. Melciades impôs o seu estilo e reconstruiu Itabaiana. A cidade é um sopro do seu talento. Mas não foi nada disso que tocou o meu coração.
Fomos amigos na infância. Itabaiana nunca teve grandes ricos, mas os tirados a rico mantinham uma distância ofensiva da molecada, e aí entra Melciades, ele era o mais rico, mas cagava e andava para os preconceitos. Não posso esquecer que o primeiro aniversário que me convidaram foi o seu, e fui tratado como gente; que a primeira bola de couro que chutei era sua; que o primeiro time de futebol com camisa em que joguei foi o “Bahia de Melciades”, e isso melhorou a minha autoestima. Certo, eu não podia frequentar a Associação Atlética, o clube dos riquinhos, mas era amigo de Melciades, e isso compensava um pouco. Ele tratava a todos com igualdade e respeito e naquele tempo isso era muito. Quando brincávamos de índio, ele nunca quis ser o cacique.
Descanse em Paz, meu amigo. Não tenho convicções sobre o nosso destino depois morte, mas seja lá o qual for, onde você chegar será bem recebido. Falo em nome dos pés raspados do Beco Novo, nós somos gratos por ter convivido com você". (Antonio Samarone)

“Há uns 12 anos recebi uma ligação. Uma voz enérgica e convincente me pedia para que eu fosse fazer algumas fotografias. Ele me encontrou, entrei em seu carro e fizemos o trabalho (e nunca mais paramos de fazer fotografias de suas telas e de suas construções). Começamos uma amizade e foi aí que ele fez a ponte entre a família Lobo e minhas pesquisas em 2007. Acompanhei seu trabalho, havia um projeto de livro biográfico a ser feito; você ilustrou meu livro sobre o Cangaço, trabalhamos juntos na produção da capa do livro do Padre Leeb, fui para suas exposições, guardo sua primeira tela pintada em 1969 (e que raridade), somos amigos de verdade. Melciades De Souza Souza,hoje acordar com uma mensagem sua, de seu celular, e perceber que era um aviso de sua morte me desconcertou, saiba que sou seu fã e sempre serei. Estou em choque agora, muita gente me ligando e mandando mensagem, desculpem-me por não poder responder, desde cedo não paro de chorar aqui, estou demorando acreditar. Que sua obra seja eterna!” (Robério Santos).

*As mensagens foram reproduzidas na íntegra, conforme publicação dos autores em suas respectivas páginas do Facebook.

Gostou? Compartilhe:

Comente Abaixo