Saúde Legal

Chikungunya provoca doenças irreversíveis nos olhos e membros inferiores

Pessoas afetadas pelo vírus tiveram de aprender a conviver com a dor.
por Jeferson Machado
18/03/2017 19:02h

Dores nas articulações, pernas pesadas, inchaço nos pés e dificuldade em caminhar ou correr, são algumas das características marcantes da chikungunya que podem persistir por muito tempo depois da fase aguda da infecção. Os pesquisadores estão preocupados neste momento com os danos na fase crônica da doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, que deixam sequelas vasculares e oculares que podem ser irreversíveis. 

Danos irreversíveis nos olhos
Um estudo recente conduzido em Feira de Santana, na Bahia, avaliou que mais da metade dos pacientes com chikungunya apresentaram alterações oculares. O responsável pela pesquisa, o médico oftalmologista Hermelino de Oliveira Neto, da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), monitorou 44 pacientes com exames positivos para a doença, uma vez por mês, de novembro/2016 a janeiro/2017.

O que se pode constatar é que, 54% do total de pacientes apresentou lesões nos olhos. Em 90% dos casos é possível tratar o problema, porém entre 5% a 10% dos pacientes, foi detectada uma lesão importante na retina e no nervo óptico, que resultou em uma diminuição severa e irreversível na visão.

Ainda não há tratamento para esse tipo de atrofia óptica, que em situações extremas pode levar a uma cegueira sem retorno. “É importante termos o conhecimento de que essa doença cega. Tenho uma paciente que está cega por uma doença que poderia ser evitada”, diz Hermelino. 

Até o momento não se conhece o mecanismo pelo qual o vírus atua afetando a visão. Há uma hipótese de que se trata de uma reação autoimune, quando os anticorpos produzidos para combater o vírus acabam gerando um processo inflamatório muito intenso e agressivo aos olhos.

Doenças vasculares irreversíveis
Já não bastasse as complicações crônicas nos olhos, uma pesquisa realizada no Hospital das Clínicas da Universidade de Pernambuco (UFPE), de março a novembro de 2016, revelou lesões vasculares irreversíveis também provocadas pela doença.

Ao todo foram analisados 32 pacientes com sintomas como pés e pernas inchados, cãibras, dores nas articulações dos membros inferiores e dificuldade em caminhar. Destes, 20 continuaram sendo acompanhados, e após os exames, 65% apresentaram alterações crônicas nos vasos dos membros inferiores.

A cirurgiã vascular responsável pelo estudo, Catarina Almeida, constatou em exames de linfocintilografia, problemas como linfedema agudo e edema no dorso do pé. Isto é, acúmulo de líquido nas pernas e peito do pé devido a um bloqueio no sistema linfático. Assim como nos problemas oculares, não se tem a certeza da causa dessas sequelas, e o fato dos membros inferiores serem os mais afetados.

Assim como nos olhos, os danos vasculares irreversíveis preocupam os pesquisadores, pois os pacientes ficam mais susceptíveis a desenvolver um problema secundário nos membros inferiores, como uma segunda infecção, dificuldade em cicatrização, e tantos outros. 

Aprendendo a conviver com a dor
Enquanto não há uma solução para os danos crônicos da doença, os pacientes aprenderam a conviver com a dor. Alguns recorrem a automedicação com antiinflamatórios, quando bate uma dorzinha aqui ou ali. Outros partiram para a drenagem linfática, meias elásticas, fisioterapia, e terapias alternativas, como a fitoterapia, reiki, dentre outras. Enfim, os relatos são de uma busca pelo fim das dores; dores que diminuem a qualidade de vida daqueles que sofrem a mais de um ano com as consequências da picada de um mosquito tão devastador.

Para saber mais:
Zika, dengue ou chikungunya, saiba como diferenciar
Confira os cuidados para se prevenir do Zika Vírus

Jeferson Machado Santos.
CRF-SE: 658.
Farmacêutico pela Universidade Federal de Sergipe - UFS.
Habilitação em Bioquímica Clínica pela Universidade Federal de Sergipe - UFS.
Especialista em Administração de Empresas pela FIJ-RJ.
Especialista em Farmacologia e Interações Medicamentosas pela Uninter-IBPEX.

Gostou? Compartilhe:

Veja Também
Comentários