Policial

Motorista lotado no gabinete de Valadares Filho é preso em operação contra tráfico de drogas. Deputado emite nota sobre caso

O motorista é acusado de fazer uso de veículo da Câmara dos Deputados para transportar droga.
por Redação do Portal Itnet
06/02/2018 14:01h
Atualizado em 06/02/2018 14:24h

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu hoje (6) pelo menos 23 pessoas acusadas de vender drogas a servidores públicos da Esplanada dos Ministérios. Entre os presos estão o secretário parlamentar Daniel Lourival Azevedo, servidor da Câmara dos Deputados, e a ex-estagiária da Procuradoria-Geral da República Marcela Galdino da Silva. A Operação Delivery acontece após um ano de investigação que apura o tráfico de drogas na região central de Brasília.

Foto: Polícia cumpre mandados na Vila Planalto, no DF (Foto: TV Globo/Reprodução)



O delegado da 5ª Delegacia de Polícia Civil Rogério Henrique de Oliveira informou que há um total de 28 mandados de prisão e 35 de busca e apreensão. Marcela Galdino da Silva, segundo o delegado, fornecia uma espécie de consultoria jurídica ao grupo, instruindo sobre como e em que quantia a droga deveria ser transportada para que o ato não configurasse tráfico. “Ela alertava aos membros da organização sobre os entendimentos jurisprudenciais acerca do tráfico de droga”.


O secretário parlamentar, de acordo com o delegado, é acusado de fazer uso de um dos carros empenhados na Câmara dos Deputados para transportar a droga. O parlamentar vinculado ao servidor não teria conhecimento do fato. “Esse carro era utilizado para aquisição da substância entorpecente. Ele mantinha contato com os traficantes e usava o carro para adquirir a substância”.

Ainda segundo o delegado, a droga fornecida pelo grupo era de alta qualidade e as pessoas que faziam uso das substâncias são de alto padrão da capital federal. A polícia já identificou entre 40 e 50 “clientes fiéis” à organização criminosa. O próximo passo da investigação é intimar todas essas pessoas para que sejam ouvidas. “Eles atuavam via telentrega. Ligavam para os membros da organização criminosa e adquiriam droga via motoboy”, explicou.

“Eles iriam receber substâncias entorpecentes para difusão ilícita no carnaval”, destacou o delegado. “É um grupo extremamente organizado”, completou, ao citar que as entregas aconteciam sempre nas imediações de ministérios e demais órgãos da Esplanada. A droga, segundo a PCDF, era proveniente da Bolívia. Os membros do grupo vão responder por tráfico e associação ao tráfico, sujeitos à pena de reclusão que pode variar de 15 a 30 anos.

Por Agência Brasil

DEPUTADO VALADARES FILHO EMITE NOTA SOBRE O CASO:

O Deputado Valadares Filho (PSB-SE) informa que não tinha conhecimento de qualquer comportamento ilícito do servidor Daniel Lourival de Azevedo, lotado em seu gabinete na função de motorista. Informa ainda que assim que tomou conhecimento do fato determinou a exoneração imediata do servidor, deixando a cargo da justiça os procedimentos de investigação cabíveis para o caso.

O Deputado Valadares Filho esclarece ainda que a relação que mantinha com servidor era restritamente profissional.

Assessoria de Imprensa
Gabinete do Deputado Valadares Filho

Gostou? Compartilhe:

Comente Abaixo