Cidade

Grande rede de lojas em Sergipe deve cerca de R$ 6,4 milhões e é acusada de sonegação de ICMS, diz Sefaz

Por conta disso, a empresa está em regime especial de fiscalização. A investigação faz parte da “Operação Saldão”.
por Redação do Portal Itnet
04/07/2018 19:45h
Atualizado em 04/07/2018 19:56h

Por Sefaz, ascom.

A Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) estabeleceu o enquadramento de todos os estabelecimentos comerciais de uma rede lojas de eletroeletrônicos em um regime especial de fiscalização por tempo indeterminado por sonegação de ICMS, tendo como consequência o desencadeamento da “Operação Saldão” na manhã desta quarta-feira, 4, com o apoio da Companhia Fazendária, da Polícia Militar.

Os auditores ficais visitaram as lojas da rede e permanecerão em constante vigilância a fim de acompanhar todas as operações ou negócios do contribuinte no estabelecimento ou fora dele a qualquer hora, assim como as mercadorias em trânsito pelo Estado ficam impedidas de circular até o pagamento do imposto.

Com a medida, no ato de todas as operações ou negócios do contribuinte deverá obrigatoriamente efetuar o pagamento do ICMS ao Estado e o sumário recolhimento do imposto no caso de mercadorias que adentrarem ou saírem do Estado. Uma situação encontrada pela Sefaz foi o fechamento de quatro lojas sem ter havido o que se denomina processo de baixa, ou seja, sem a comunicação ao Estado do encerramento das atividades do estabelecimento.

A Superintendência de Gestão Tributária da Sefaz aponta que a empresa fiscalizada acumulam uma dívida da ordem de R$ 6,4 milhões em ICMS não repassados ao Fisco entre os anos de 2014 e 2018, gerando ações administrativas e judiciais para cobrança das dívidas que somam mais de 120 processos, entre executados, inscritos em dívida, parcelados ou aguardando decisão da Justiça, porém, nenhum deles pago.

A superintendente de Gestão Tributária da Sefaz, Silvana Maria Lisboa Lima, informou que, caso seja necessário, a Operação Saldão pode adotar outras medidas acautelatórias previstas na legislação tributária estadual, com vistas à efetivação do regime estabelecido, em especial apreensão de livros, documentos, programas, arquivos magnéticos e ópticos, como prova material de infração, lavrando termo de apreensão, termo de depósito ou termo de arrecadação.

Quinze estabelecimentos da rede foram relacionados, tanto em Aracaju como em municípios do interior, a exemplo de Itabaiana e Tobias Barreto. Com a ação da Sefaz, as lojas tiveram dificuldade de efetuar em função de não conseguirem adequar seus procedimentos à exigência disposta na legislação do Regime Especial de Fiscalização.

Gostou? Compartilhe:

Comente Abaixo