Policiais sergipanos envolvidos na morte de comerciante na Paraíba, durante operação são presos temporariamente

De acordo com a Polícia Civil, eles se apresentaram voluntariamente ontem, 23, e ficarão custodiados em unidades policiais.

Os três policiais sergipanos, sendo um delegado, um policial civil e um militar, envolvidos na morte do comerciante na Paraíba, na semana passada, durante uma operação foram presos temporariamente, em cumprimento a mandados de prisão expedidos pela Justiça paraibana.

De acordo com a Polícia Civil, eles se apresentaram voluntariamente ontem, 23, e ficarão custodiados em unidades policiais de Sergipe.

A morte de Gefferson de Moura Gomes ocorreu durante uma operação da polícia sergipana, no município paraibano de Santa Luzia, no último dia 16.

O CASO:

Policiais do Departamento de Narcóticos de Sergipe (Denarc) estavam há cerca de 15 dias realizando uma operação contra o tráfico de drogas interestadual, em alguns estados do Nordeste.

Eles estavam monitorando uma quadrilha com o intuito de cumprir mandados de prisão, expedidos pela Justiça de Sergipe.

De acordo com a Polícia Civil sergipana, “na altura da cidade de Santa Luzia, na Paraíba, no final da noite da terça, foi montado um bloqueio policial, onde vários veículos suspeitos foram parados. Os policiais se depararam com um homem em um veículo e na abordagem, o motorista identificado como Gefferson de Moura Gomes estava armado, esboçou uma reação e foi atingido, sendo encaminhado imediatamente para uma unidade hospitalar”.

Gefferson não resistiu aos ferimentos e a caso ganhou grande repercussão em todo o estado da Paraíba.

Ainda de acordo com a Polícia Civil de Sergipe, o veículo do comerciante e a arma de fogo foram apreendidos e apresentados pelos policiais sergipanos na Delegacia Plantonista da cidade de Patos/PB. Os envolvidos na operação prestaram depoimento e apresentaram a arma e o carro apreendidos.

A Polícia Civil da Paraíba instaurou inquérito para apurar este caso.

AS INVESTIGAÇÕES:

Segundo a Polícia Civil paraibana, as informações fornecidas pelos sergipanos não foram confirmadas pelas investigações, comandadas pelos delegados Sylvio Rabello e Glauber Fontes.

De acordo com o delegado Sylvio Rabelo, segundo as investigações, houve fraude processual e execução da vítima.

“Os policiais apresentaram uma arma de fogo, afirmando que ela pertencia à vítima, mas rastreamos a origem e descobrimos que ela pertence a um policial militar de Sergipe e que não havia nenhuma queixa de roubo ou furto. O exame realizado no corpo da vítima mostrou que ela sofreu sete disparos de arma de fogo. E foi socorrida já sem vida ao hospital”, afirmou o delegado.

“Em virtude de as investigações mostrarem condutas muito graves praticadas pelos servidores públicos e da presença de fortes indícios das autorias e materialidade dos crimes praticados, a Polícia Civil da Paraíba representou pela prisão temporária dos envolvidos, para garantir a tranquilidade necessária para a conclusão das investigações”, acrescentou Rabelo.

Os servidores foram afastados das suas funções na última sexta-feira, 19, a fim de garantir uma investigação isenta e transparente. O inquérito policial continua em andamento no estado da Paraíba.

No momento da abordagem, segundo familiares, Gefferson se deslocava para a casa do pai, que estava adoentado e ele ajudaria nos cuidados ao senhor. O comerciante não possuía antecedentes criminais.