Segundo o Sintese, os professores continuarão ministrando as aulas de maneira remota.

Foto: Sintese

Após assembleia no dia de ontem, 04, os professores da rede estadual e também das redes municipais (exceto Aracaju) decidiram decretar greve contra o retorno das aulas presenciais em Sergipe.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica de Sergipe (Sintese), para que as aulas retornem neste período de pandemia é necessária a testagem dos estudantes e profissionais e ainda condições sanitárias nas escolas.

O Governo do Estado havia anunciado o retorno de aulas na forma presencial, para os estudantes do 1º e 2º ano do Ensino Fundamental, a partir do dia 10 de maio, na rede estadual. No caso das redes municipais, as gestões podem escolher qual a modalidade que as aulas terão.

“O sindicato espera que os gestores municipais não iniciem as aulas presenciais, continuem com as aulas remotas e garantam as condições necessárias para que elas sejam ministradas pelos educadores e acessadas pelos estudantes”, disse o Sintese, em nota, enfatizando que mesmo em greve, os professores continuarão ministrando as aulas online.

O Sintese informou também que quer participar do Comitê Técnico-Científico e de Atividades Especiais (Ctcae), para entender os motivos que levaram o comitê a decidir pelo retorno, quando há 98% de ocupação (nas redes pública e privada) dos leitos de UTI.

“Até o momento, não nos foi apresentada nenhuma justificativa científica que corrobore o retorno das aulas presenciais, quando vivemos o momento mais difícil da pandemia, com ocupação máxima de leitos de UTI, sem perspectiva de quando os trabalhadores da Educação (professores e funcionários) serão vacinados, sem testagem em massa dos estudantes e sem condições sanitárias e até mesmo de pessoal nas escolas. A decisão da assembleia é uma defesa da vida e não somente a dos professores e professoras, mas dos trabalhadores das escolas, dos estudantes e de suas famílias”, afirma a presidenta do Sintese, Ivonete Cruz.

O Governo de Sergipe informou que está levantando junto à Seduc os dados sobre os professores das escolas que irão retornar no dia 10, para preparar a vacinação dos profissionais.

Na semana passada, Belivaldo Chagas já havia comentado sobre a possibilidade de adiantar a imunização dos professores.

“Tudo está sendo feito para que a volta às aulas aconteça de forma gradual e segura. Assim que tivermos essa lista pronta, prepara-se a vacinação”, disse o superintendente de comunicação do Estado, Givaldo Ricardo.

No dia 10 de maio, a partir das 8h, o Sintese fará um ato em frente a Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc), em Aracaju.