A leishmaniose visceral, também conhecida como calazar, é uma parasitose que pode acometer tanto os humanos quanto os animais.

Ela é causada por protozoário do gênero Leishmania e transmitida durante a picada de mosquitos, conhecidos como mosquito palha ou birigui. Para evitar a contaminação é importante evitar acúmulo de lixo ao redor da casa e colocar tela nas janelas, tudo isso para afastar o mosquito das pessoas e animais em sua casa.

Quando doentes, os humanos podem apresentar febre, palidez e aumento do abdômen. Já os cães ficam com feridas na pele, magros e com as unhas grandes. É importante procurar ajuda médica no caso de apresentar alguns desses sintomas, o calazar pode levar à morte caso não tratado.

Para melhor entender o comportamento do calazar em Sergipe, as mestres Ândria Almeida e Camila Carlini sob orientação da prof Dra Priscila Lima e em parceria com o grupo de geoprocessamento da UFS – São Cristovão avaliaram alguns aspectos importantes dessa doença que desde de 1936 é frequente em nosso estado.

Entre os anos de 2009 a 2017 o maior número de casos de calazar ocorreu em homens (71%), adultos (47%), residentes em área urbana (70%), não brancos (83%) e com baixa escolaridade (42%).

Apesar da maioria dos casos ter evoluído para cura após tratamento, a letalidade (pessoas que morreram por conta da doença) do calazar vem aumentando significativamente, passando de 8,9 em 1999 para 11.5 óbitos por 100.000 habitantes em 2017. Vale ressaltar que há casos de calazar em todos os municípios do estado de Sergipe sendo mais frequente em Aracaju, Estância, Itaporanga d’Ajuda, Salgado e São Cristóvão (Figura).

Assim como boa parte das doenças, no calazar a prevenção é a melhor estratégia para impedir a disseminação da doença e o diagnóstico precoce é crucial para impedir o estabelecimento das formas graves da doença.

*Essa matéria foi desenvolvida por integrantes do Programa de Pós-graduação em Ciências Aplicadas à Saúde da UFS de Lagarto, que semanalmente trará matérias sobre assuntos de interesse da população, aqui no Portal Itnet