O diabetes é uma doença crônica muito frequente na população. Estudos realizados em todo o mundo têm mostrado que há uma relação entre o diabetes e prejuízo no processo mental.

Pensando nisso, a Memória de Trabalho (MT) ganha destaque, porque ajuda no armazenamento, manipulação e processamento de informações permitindo ações que envolvem o raciocínio, aprendizagem e compreensão nas tarefas do dia a dia.

Uma pesquisa desenvolvida pelo fonoaudiólogo Me. Pablo Jordão Alcântara Cruz sob orientação das professoras Dr.ª Grace Anne Dória e Dr.ª Kelly da Silva do Programa de Pós-graduação em Ciências Aplicadas à Saúde (PPGCAS), investigou o desempenho na memória de trabalho em dois grupos: um formado por pessoas sem diabetes e outro com diabetes.

Foi observado uma tendência a um pior desempenho nas tarefas que avaliavam a memória de trabalho em indivíduos com diabetes do que em seus pares sem a doença.

Mais estudos envolvendo o entendimento de como a diabetes afeta essa habilidade (memória) é cada vez mais necessário, para que consigamos observar de forma mais ampliada esse padrão com a população diabética, visto a incidência desta doença e como a mesma afeta a qualidade de vida e comunicação da população. 

*Essa matéria foi desenvolvida por integrantes do Programa de Pós-graduação em Ciências Aplicadas à Saúde da UFS de Lagarto, que semanalmente trará matérias sobre assuntos de interesse da população, aqui no Portal Itnet