MUNICÍPIOS NEGAM TEREM APLICADO VACINA DA ASTRAZENECA VENCIDA

As Prefeituras dos municípios sergipanos citados em reportagem da Folha de São Paulo negam a aplicação de doses vencidas da vacina AstraZeneca. Segundo levantamento do jornal, publicado nesta sexta-feira (2), pelo menos 15 pessoas teriam sido vacinadas contra a Covid-19 com imunizantes de um lote fora da validade em sete cidades de Sergipe.

Diante da repercussão da notícia, que apontou a aplicação de cerca de 26 mil doses vencidas em 1.532 municípios brasileiros, as Secretarias Municipais da Saúde de Aracaju, Capela, Estância, Itabaiana, Lagarto e Nossa Senhora da Glória, divulgaram notas negando a aplicação irregular.

Segundo as pastas, o lote 4120Z005 foi recebido entre os dias 25 de janeiro e 10 de fevereiro, e a aplicação das doses ocorreram antes do prazo final de validade, 14 de abril.Reprodução/PMA

“O lote 4120Z005 de AstraZeneca foi recebido em janeiro, com validade datada para 14 de abril, e com 12.300 doses. Todos os imunizantes desse lote foram utilizados até 6 de abril, portanto, dentro do prazo de validade estabelecido pelo fabricante”, disse a Saúde Aracaju.

“A aplicação foi realizada dentro do período determinado pelo fabricante do imunobiológico e apenas no sistema do banco de dados do Ministério da Saúde foi efetuado o lançamento em data posterior à aplicação da vacina.O referido lote foi recebido no dia 26/01/2021, contendo 470 doses destinadas aos Profissionais da Saúde”, disse a Saúde de Estância.

“O referido Lote com validade até 14-04-2021 foi recebido em 01-02-2021 e todas as doses foram administradas dentro do referido mês”, disse a Saúde de Glória.

“Foi identificado o recebimento dos lotes 4120Z005 e CTMAV505. Esses lotes de vacina foram administrados nos profissionais de saúde, em fevereiro, e em idosos de 68 e 69 anos, em março. Todos os lotes de vacina recebidos e todas as doses administradas passam por um processo de conferência padronizados, para garantia da qualidade dos processos de trabalho e da segurança do usuário”, disse a Saúde de Itabaiana.

“No início do processo de vacinação, entre os meses de janeiro e fevereiro, o sistema de informações do PNI apresentava muita instabilidade, não permitindo a alimentação célere das doses aplicadas, com consequente atraso na digitação”, disse a Saúde de Capela. 

“A aplicação das doses referentes ao lote 4120Z005 foi realizada dentro do período determinado pelo fabricante, porém foram identificadas inconsistências no lançamento da informação no sistema do Ministério da Saúde”, disse a Saúde de Lagarto.

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) disse considerar a possibilidade de um erro de registro durante o envio da informação de aplicação para o sistema do Ministério da Saúde  e orientou os municípios a fazerem uma checagem. “Essas pessoas não precisam ir até as unidades básicas de saúde. Os municípios, após essa verificação, entrarão em contato com essas pessoas”, declarou a pasta.

Por meio de nota conjunta, os conselhos nacionais de Secretários de Saúde (Conass) e de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) afirmaram que todos os casos relativos à aplicação de vacinas fora da validade serão investigados.

por Will Rodriguez