logo

“O Auxílio Brasil chegará em novembro para milhões de famílias brasileiras”, afirma Ministro da Cidadania

Nacional

Imagem Autor

Por Jornalismo Itnet

|

13/08/2021, às 09:09:51

“O Auxílio Brasil chegará em novembro para milhões de famílias brasileiras”, afirma Ministro da Cidadania

O pagamento começará ao fim das transferências do Auxílio Emergencial 2021, que encerra no mês de outubro.

Foto: Ministério da Cidadania

O Ministro da Cidadania, João Roma fez um pronunciamento ontem, 12, em cadeia de rádio e TV para explicar como vai funcionar o Auxílio Brasil, que começará a ser pago em novembro deste ano, ao fim das transferências do Auxílio Emergencial 2021, que encerra no mês de outubro.

“O Auxílio Brasil representa evolução no conceito de transferência de renda e de assistência às famílias em condição de vulnerabilidade. Com essa medida, o Governo Federal integra várias políticas públicas de assistência social, saúde, educação e emprego”, disse Roma.

Na segunda-feira, 09, o presidente Jair Bolsonaro entregou a medida provisória com as diretrizes do novo programa federal ao Congresso.

O principal objetivo do Auxílio Brasil é unir num só programa, além da distribuição de uma renda básica, diversas áreas, como educação, saúde, geração de renda e oportunidades às famílias brasileiras melhorarem de vida.

De acordo com o Ministério da Cidadania, são parte do programa, os seguintes exemplos: as famílias que vivem no campo serão incentivadas a produzirem alimentos, que serão comprados pelo poder público. Quem vive na área urbana será incentivado a empreender, com acesso a um microcrédito, etc.

Na área da educação, os alunos serão incentivados a participarem de olimpíadas científicas e de conhecimento. Quem se destacar em jogos escolares ganhará um benefício, etc.

“Junto com a vacinação em massa e a retomada da economia, implementamos um programa social integrado. Com o apoio e a contribuição do Congresso Nacional, o Auxílio Brasil chegará em novembro para milhões de famílias brasileiras, sem abrir mão da responsabilidade fiscal”, concluiu João Roma.

Mais para Você