Projeto da UFS monitora pacientes com doenças respiratórias, como forma de oferecer melhoras no seu bem-estar

As doenças respiratórias, infecciosas ou não, sempre estiveram entre as principais causas de mortalidade e morbidade mundial. Aqueles pacientes que não evoluem para o óbito, podem apresentar queda na produtividade, maior dependência funcional, baixa mobilidade e descondicionamento cardiovascular e respiratório.

Sendo os desfechos clínicos e funcionais ainda mais alarmantes quando os usuários apresentam comorbidades cardiovasculares, osteomioarticulares e neurológicas associadas.

Quando esses indivíduos são hospitalizados e submetidos a longos períodos de internação, restrição ao leito com imobilidade, estados de hipoxemia, suporte ventilatório mecânico invasivo, infecção ou inflamação sistêmica, há o surgimento da disfunção muscular esquelética (DME) onde as fibras musculares são alteradas bioquímica e morfologicamente.

É um grupo de pacientes que necessita de acompanhamento a longo prazo, desde o período de hospitalização até o período de plena recuperação ou estabilização. Entre os vários olhares da interdisciplinaridade, eles necessitarão, possivelmente, de tratamento fisioterapêutico, continuado, especializado.

A Fisioterapia dispõe de métodos de avaliação e tratamento funcional, voltados ao ganho de força muscular respiratória e periférica, aumento da tolerância ao exercício, independência funcional, reestabelecimento do condicionamento cardiorespiratório e dos volumes e capacidades pulmonares, reduzindo resistência de vias aéras e aumentando a oxigenação.

A linha de pesquisa da Profª Drª Érika Ramos, recém chegada ao PPGCAS e vinculada ao Departamento de Fisioterapia do Campus Lagarto, é em afecções respiratórias, funcionalidade e marcadores biológicos.

Tem como principal objetivo monitorar, ao longo do tempo, o comportamento dessas variáveis em pacientes hospitalizados e após a hospitalização, considerando fatores de risco e desfechos clínicos e funcionais.

As pesquisas buscam beneficiar pacientes assistidos no Hospital Universitário de Lagarto (HUL) e Centro de Simulações e Prática (CENSIP).

*Essa matéria foi desenvolvida por integrantes do Programa de Pós-graduação em Ciências Aplicadas à Saúde da UFS de Lagarto, que semanalmente trará matérias sobre assuntos de interesse da população, aqui no Portal Itnet