Em depoimento, ele disse que em sua residência teve contato íntimo com a menina.

Foto: Polícia Militar

A morte da menina Lorrany Kethelly Santos, de seis anos chocou a população sergipana na última quinta-feira, 21. O suspeito de ter tirado a vida da criança foi preso e confessou a autoria do crime.

Em depoimento, o preso, identificado preliminarmente como Ricardo Alves da Costa, de 42 anos disse que matou a criança esganada, num matagal no Bairro Santa Maria, ainda na noite da quarta-feira, 20, dia que ela desapareceu.

Antes de cometer o crime, o homem levou Lorrany até sua residência, e segundo ele, lá aconteceu um contato íntimo com a vítima.

“Ele disse que não teve conjunção, apenas contato íntimo, mas estamos na expectativa dos laudos da perícia técnica para corroborar com esses indícios”, explicou o delegado Mario Leony, responsável pelo caso.

Após isso, ele levou a menina à localidade conhecida como Morro do Avião e tirou a sua vida, em seguida, ocultou o corpo, na mesma região.

A PC acredita que Ricardo matou a menina para que ela não contasse a ninguém o que havia ocorrido em sua casa. Ele está preso e responderá por sequestro, estupro de vulnerável, homicídio qualificado e ocultação de cadáver.

No IML, o corpo de Lorrany deu entrada como “morte a esclarecer”.

O CASO:

Lorrany desapareceu na tarde da última quarta-feira, no momento que brincava na frente da sua residência, no próprio Bairro Santa Maria. Ricardo trabalhava na mesma rua onde a criança morava com a família.

A criança foi encontrada sem vida, no dia seguinte, por populares, que acionaram a polícia e o Instituto Médico Legal (IML). Pouco tempo após, o suspeito foi preso, no mesmo bairro.

A barbaridade chamou a atenção de populares, que realizaram manifestações na frente da delegacia para onde Ricardo foi levado, pedindo justiça por Lorrany.