O trio foi condenado na semana passada, mas a família do itabaianense não concorda com as penas estabelecidas.

Aconteceu no último dia 03, o julgamento dos três acusados pelo homicídio do itabaianense Danilo Brito Mota, ocorrido em Aracaju no ano de 2018. O trio foi condenado em júri popular, mas a família da vítima vai recorrer da decisão.

A tia de Danilo, Anabel conversou com a nossa equipe na última sexta-feira, 05, e falou que a família quer que os três acusados tenham pena máxima, e não concorda que o atirador tenha recebido uma pena menor que o mandante e o piloto da motocicleta, responsável pela fuga.

“Se o atirador pegou 12 anos, o mandante pegou 16 anos e sete meses e o piloto de fuga pegou 16 anos, porque o primeiro teve uma pena menor que os outros? Não achamos isso justo, queremos pena máxima para os três”, informou ela.

Os três envolvidos já estavam presos. O mandante foi o Ian Gustavo Andrade de França, condenado a 16 anos, sete meses e 15 dias, em regime inicial fechado.

O executor que atirou e tirou a vida de Danilo foi o Leonardo Melo Andrade, primo de Ian. Ele foi condenado a 12 anos, em regime inicial também fechado.

Jadson Nascimento dos Santos Junior, o responsável por conduzir o veículo recebeu a pena de 16 anos de prisão, também em regime fechado.

Assista a entrevista completa: