O ofício foi enviado ao Ministério Público em nome de todos os vereadores.

Atendendo ao pedido de ajuda, auxílio, socorro, da população, a Câmara de Vereadores de Itabaiana, sob o comando do vereador Marcos Oliveira enviou ao Ministério Público, um ofício solicitando a suspensão temporária da taxa de esgoto de 80%, que está sendo cobrada pela Deso.

O assunto vem sendo destaque na imprensa, e mais de perto aqui no Portal Itnet há alguns dias, visto que a população está insatisfeita com essa nova taxa e a acha a mesma abusiva, principalmente neste momento de crise, vivenciado por muitas famílias.

A nossa equipe recebeu inúmeras reclamações, dúvidas e até mesmo pedidos de ajuda, direcionados, principalmente, às autoridades que tem o poder, para intervenção e mobilização neste caso. E isso surtiu efeito e os vereadores estão de fato, “comprando esta briga”.

“O ofício foi enviado por esta casa em nome de todos os vereadores exigindo ações do Ministério Público para que seja suspensa, temporariamente, a cobrança da tarifa de esgoto até que se tenha uma explicação que justifique essa cobrança e o valor abusivo dela. Também solicitamos uma audiência pública para apresentação de uma planilha detalhada sobre essa cobrança. O que não podemos é deixar que a nossa população sofra”, disse o presidente Marcos Oliveira, durante sessão desta quinta, 18, na Casa de Leis.

Os demais vereadores também fizeram uso da palavra na sessão de hoje, a fim de repudiar a cobrança, que já está acontecendo e atinge os moradores por onde a obra de esgotamento sanitário da Deso passou.

Em resumo, quem paga uma fatura de R$ 100 mensalmente, terá que pagar agora, R$ 180. De acordo com a Companhia, “a cobrança efetiva da tarifa será feita apenas nos imóveis que serão contemplados com a rede de esgoto. Portanto, se a rede de esgoto ainda não passa em sua rua, NÃO haverá cobrança”.

Ontem, 17, trouxemos as respostas da Deso, às várias dúvidas que a nossa equipe recebeu dos itabaianenses, nos últimos dias, sobre essa cobrança. Confira aqui.

O Portal Itnet segue acompanhando o desenrolar deste caso.