A Operação Torpedo ocorreu em Sergipe, Rio Grande do Sul e São Paulo. Grupo causou prejuízo de mais de R$ 12 milhões.

Foto: PC/SE

Nesta quinta-feira, 18, a Polícia Civil de Sergipe deflagrou a Operação Torpedo, com o intuito de desarticular um grupo criminoso que aplicava golpes contra correntistas de agências bancárias de Sergipe, dentre elas, o Banese, que colaborou com as investigações. A PC cumpriu nove mandados de prisão e 14 de busca e apreensão.

“O objetivo da ação policial foi o de apurar as investigações sobre crimes de estelionato, furto mediante fraude e organização criminosa contra instituições financeiras e contra seus correntistas”, informou a Polícia Civil.

A ação do Departamento de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri) ocorreu em Sergipe, Rio Grande do Sul e São Paulo e envolveu policiais da Divisão de Inteligência (Dipol), do Laboratório de Tecnologia, da Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (Copci), da Coordenadoria de Polícia Civil da Capital (Copcal), da Polícia Civil do Rio Grande do Sul e da Polícia Civil de São Paulo.

Conforme as investigações, o grupo gerou um prejuízo de mais de R$ 12 milhões e agia enviando links por SMS, se passando por funcionários dos bancos e obtendo informações dos correntistas, para depois, terem acesso aos seus dados e consequentemente, suas contas bancárias, podendo fazer movimentações financeiras.

A Operação Torpedo foi coordenada pelas delegadas Maria Pureza e Viviane Pessoa.

A Polícia Civil orienta que as vítimas de golpes semelhantes compareçam ao Depatri para o registro da ocorrência. As denúncias também podem ser feitas por meio do Disque-Denúncia, no telefone 181. O sigilo do denunciante é garantido.