Homem é flagrado em Nossa Senhora Aparecida exercendo ilegalmente a profissão de dentista

A fiscalização foi realizada pelo Conselho Regional de Odontologia e contou com o auxílio policial.

Foto: CRO-SE

No último dia 25, um homem foi flagrado exercendo ilegalmente a profissão de cirurgião-dentista, em Nossa Senhora Aparecida. O pai dele, hoje falecido, já havia sido flagrado na mesma ocorrência, em 2018.

O flagra ocorreu durante uma fiscalização, que foi realizada pelo Conselho Regional de Odontologia (CRO-SE) e contou com o auxílio das polícias Civil e Militar e da Vigilância Sanitária Estadual.

“No local do flagrante, foi identificada toda a estrutura e instrumentação necessária ao atendimento odontológico. O suspeito, inclusive, estava realizando procedimento de restauração em um paciente, no exato momento em que as equipes chegaram”, informou o Conselho.

O paciente informou à equipe não saber que o homem não possuía o registro necessário para exercer a sua profissão. O suspeito disse que cursou Odontologia até o oitavo período, tendo trancado o curso após o falecimento do pai.

Ele foi conduzido à Delegacia de Ribeirópolis, para prestar os devidos esclarecimentos.

“De acordo com a Lei 5.081/66, a Odontologia somente pode ser praticada por cirurgião-dentista habilitado, que possua diploma de graduação e registro no órgão de fiscalização (CRO). E segundo o artigo 282 do Código Penal, a punição prevista para o exercício ilegal da Odontologia é de detenção de seis meses a dois anos, podendo ser cumulada à penalidade de multa”, explica Anderson Siqueira, presidente do CRO-SE.