Cantora Paulinha Abelha estava com lesões graves nos rins, revela resultado de biópsia

A nova informação foi divulgada pelo G1 SE; o laudo final deverá ser elaborado por especialistas.

O G1 SE divulgou ontem, 08, o resultado da biópsia feita na cantora Paulinha Abelha, que revela que ela estava com lesões graves nos rins. Vale ressaltar que o exame não confirma se as lesões teriam alguma relação com o uso de medicamentos feito por ela.

O resultado do exame mostra a detecção de uma necrose tubular aguda (NTA) muito acentuada, fator que pode levar o rim a parar de funcionar.

“Pela amostra coletada do rim, dentre as razões que levam à NTA não foi possível diferenciar se teve um insulto isquêmico (quando algum motivo prejudica a chegada de sangue para os órgão do corpo) ou nefrotoxicidade (que pode ser por toxinas produzidas pelo próprio corpo ou toxinas externas, como medicamentos)”, divulgou o G1, com base no resultado.

Ainda segundo a biópsia, as demais regiões dos rins tiveram comprometimentos variados, de fibrose a atrofia leve, que são considerados pouco específicos para chegar a um diagnóstico definitivo.

LAUDO TOXICOLÓGICO:

No último domingo, 06, o Domingo Espetacular, da Record TV divulgou um laudo toxicológico, fornecido pelos familiares, que aponta quais as substâncias encontradas no corpo da cantora Paulinha Abelha e também as doenças responsáveis por sua morte.

As doenças que constam na certidão de óbito são: meningoencefalite, hipertensão craniana, insuficiência renal aguda e hepatite.

O laudo toxicológico apontou a presença de 16 substâncias no corpo de Paulinha, entre elas, anfetaminas e barbitúricos, sendo que estes últimos, possivelmente podem ter sido sedativos, utilizados durante internação, entretanto, isso ainda está sob investigação, bem como sua influência no corpo da cantora.

O laudo divulgado pelo programa dominical também aponta a presença de um medicamento tarja preta, no corpo de Paulinha, geralmente utilizado no tratamento do Transtorno do Déficit de Atenção (TDAH). Porém, este medicamento tem como efeitos adversos a redução de apetite, perda de peso, náuseas e vômito.

Dias antes de ser internada, Paulinha sentiu-se mal, enjoada, ainda em São Paulo, onde a banda Calcinha Preta realizava uma turnê, mas preferiu deixar para buscar auxílio médico quando chegou a Sergipe.

Ainda segundo o Domingo Espetacular, o medicamento foi passado por um profissional que acompanhava Paulinha, assim como outros.

Vale ressaltar que ainda não se sabe se o uso dessas substâncias, divulgado pelo Domingo Espetacular, de fato foi responsável pelo agravamento do quadro e falecimento da cantora; tudo isso ainda está sob investigação e apuração.

Com base nos resultados dos exames, o laudo final sobre a morte de Paulinha deverá ser elaborado por especialistas.

MORTE DE PAULINHA:

Paulinha foi internada no Hospital Unimed, em Aracaju, no dia 11 de fevereiro, com um quadro de insuficiência renal. No dia 17, ela entrou em coma profundo e foi transferida para o Primavera, onde seguiu internada até o dia  23, quando faleceu, após o agravamento de lesões neurológicas.

Ela faleceu aos 43 anos e durante quase duas décadas, com seu talento e encanto brilhou muito na Calcinha Preta. Em sua voz foram eternizados grandes sucessos da banda, como Babydoll, Sonho lindo, Louca por ti e Onde o sonho mora.

Foto: redes sociais