Torcida organizada do Sergipe intimidou atletas nas vésperas do Clássico Maior; clique para assistir

O Sergipe vive uma temporada de 2022 turbulenta. Campeão estadual no ano passado, a equipe colorada começou o ano cheia de expectativas, com calendário recheado e grandes objetivos. A prática, no entanto, frustrou seus torcedores.

Na Copa do Nordeste, a equipe foi eliminada com duas rodadas de antecedência do fim da fase de grupos e tem a pior campanha com apenas um ponto somado em sete partidas disputadas. Na Copa do Brasil, eliminado para o Cruzeiro com uma derrota por 5 a 0 na Arena Batistão.

O início foi tão turbulento que, do final de janeiro até o final de fevereiro, o Mais Querido chegou a ficar um mês sem vencer uma única partida. No meio da turbulência, o treinador Elias Borges, bicampeão estadual à frente do clube, foi demitido. Para o seu lugar chegou o português Daniel Neri, conhecido pelo seu trabalho no Salgueiro, onde foi o primeiro técnico a conquistar um campeonato pernambucano com um time do interior.

Apesar do gajo ter conseguido deixar o time mais fluido e ofensivo – um desejo antigo da torcida -, os resultados ainda não vieram como esperado. Pela Copa do Nordeste, apenas derrotas; no Sergipão, uma vitória contra o Lagarto, uma derrota para o Falcon e um empate com o Confiança. Sem tempo para treinar e com um elenco considerado limitado por muitos, o comandante tem sofrido neste início de trabalho.

O elenco alvirrubro, inclusive, é um dos pontos de maior reclamação da torcida como um todo. Segundo os torcedores, o Sergipe não possui um elenco condizente às competições que disputou e vai disputar nesta temporada.

Política financeira da diretoria

Do lado da diretoria, a palavra sempre foi de cautela. Desde que assumiu o clube até hoje, o presidente Ernan Sena sempre declarou que o foco principal era sanar as dívidas trabalhistas e fiscais. Por este motivo, as cotas que o Vermelhinho recebeu para participar da Copa do Brasil em 2020 e 2021 foram utilizadas para pagar estes débitos.

Hoje, segundo prestação de contas divulgada nas redes sociais, o Sergipe não tem mais nenhuma dívida trabalhista e caminha para sanar também as dívidas fiscais.

Ainda assim, a inconformidade dos torcedores com o trabalho como um todo de 2022 é muito grande. Eliminado da Copa do Brasil e Copa do Nordeste, o único ponto de crença ficou no Campeonato Sergipano, onde a equipe estava invicta.

Todavia, a invencibilidade caiu por terra na última quarta-feira, 9, quando o alvirrubro foi derrotado pelo Falcon. Daí em diante o clima no JH passou a ficar muito pesado, principalmente pelo jogo seguinte ser contra o maior rival, o Confiança. E foi justamente antes do Clássico Maior o maior momento de tensão entre torcida e jogadores.

A insatisfação colorada

Durante treino realizado no João Hora de Oliveira, estádio e centro de treinamento do Sergipe, a Torcida Esquadrão Colorado, popularmente conhecida como TEC, teve uma conversa com o elenco colorado. O diálogo aconteceu às vésperas do jogo diante do Confiança – que aconteceu no último sábado, 12.

Sob clima de tensão, integrantes da TEC pediam mais comprometimento, raça e dedicação dos atletas. Mas o clima não foi exatamente pacífico. Apesar de terem ficado apenas nas palavras, os componentes da maior torcida organizada do clube ameaçaram os jogadores em caso de derrota no clássico.

O vídeo circulou nas redes sociais através de publicações e grupos de WhatsApp, mas não houve nenhum tipo de manifestação da diretoria a respeito do ocorrido. Apesar de ser uma cena comum ao redor do Brasil e da cobrança fazer parte do futebol, as palavras e entonações usadas pelos integrantes da organizada causam certa apreensão. Um dos homens que aparecem no vídeo chegou a dizer que “o bagulho vai ficar doido” caso o time não derrotasse o maior rival.

Procurado pela reportagem do Portal ITNet, o clube optou por não se pronunciar a respeito do acontecido.

Confira abaixo o vídeo com um trecho do que ocorreu na última semana no Mundão do Siqueira Campos:

Após o jogo, que terminou empatado em 1 a 1, não foi registrado nenhum tipo de revolta ou cobrança por parte da organizada. A reportagem será atualizada em caso de novidades sobre o assunto.