Continuidade do julgamento de Valmir e Talysson ocorrerá na semana que vem no TSE

O caso em questão envolve condenação de 2019, por abuso de poder e uso da máquina administrativa.

O julgamento de Valmir de Francisquinho  e seu filho Talysson Costa, ambos do PL, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) será na semana que vem, no dia 23 de junho, às 10h. O julgamento teve início no dia 02 e foi interrompido, após o pedido de vista de um ministro.

No dia 02, o relator do processo, o ministro Sérgio Banhos, primeiro a expor o seu voto no TSE votou pela inelegibilidade dos dois, até 2026 e cassação do mandato de Talysson, seguindo a decisão do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/SE).

Carlos Horbach, segundo ministro que daria seu voto pediu vista para analisar mais uma vez a situação e por conta disso, o presidente do TSE, Edson Fachin suspendeu o julgamento.

DECISÃO DO TRE:

O Tribunal julga o recurso impetrado pela defesa de Valmir e Talysson, recorrendo de uma decisão de 2019, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE/SE), que decidiu pela perda de mandato e inelegibilidade de Talysson e inelegibilidade de Valmir.

O julgamento se refere a uma condenação em 2019, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE/SE), por abuso de poder e uso da máquina administrativa, da Prefeitura de Itabaiana, nas eleições de 2018.

Na época, Valmir era prefeito do município serrano e Talysson, pré-candidato a deputado estadual e conforme o Tribunal Regional, sua campanha foi favorecida por meio da estrutura administrativa da prefeitura, fato este, acompanhado pelo ministro Sérgio Banhos.

Para o relator ficou evidenciado o abuso de poder político e econômico por parte da máquina pública, com a utilização da cor azul em prédios públicos e farda de alunos, o que causou desigualdade nas eleições.

Banhos disse que ficou claro nos autos o favorecimento do então prefeito Valmir na campanha do filho Talysson, o deputado estadual mais votado.

Por enquanto, ainda não está decidida a situação de Valmir nas eleições para este ano, em que ele lançou pré-candidatura ao governo do estado e lidera as pesquisas de opinião.