Educação

Professores de Malhador reivindicam diálogo com a gestora municipal

Professores e professoras de Malhador apelam para que os parlamentares sensibilizem a prefeita.
por Redação do Portal Itnet
10/04/2014 08:34h

Os professores e professoras de Malhador estão enfrentando graves problemas no município. A gestão municipal não tem dialogado com a categoria, que está sem receber o reajuste do Piso Salarial de 2013 e o de 2014, a prefeita Elayne de Dedé também não realizou o pagamento de mudança de nível dos professores.

Diante do cenário educacional preocupante, os educadores ocuparam as galerias da Assembleia Legislativa de Sergipe na manhã desta quarta-feira, 9, com o intuito de apelar aos parlamentares que ajudem a intermediar um diálogo com a gestão municipal. A deputada estadual e professora Ana Lúcia (PT) foi ao grande expediente expor a situação para os demais deputados através de dados socioeconômicos do município.

"Os professores de Malhador pedem a solidariedade dos deputados e deputadas para que possamos abrir dialogo com o poder executivo municipal, e que sejam apresentadas as alternativas para reverter a situação. Eles tem indicativo de greve mas se houver diálogo para a negociação será melhor", apelou Ana.

Malhador é uma cidade predominantemente rural, além disso, está entre as últimas posições do Índice de Desenvolvimento Humano(IDH), 4.467 em relação aos 5.565 municípios do Brasil.

Os dados da educação mostraram uma queda no quadro de matrículas de 2003 a 2013 no ensino médio, fundamental e no EJA.

"Os professores contribuíram na campanha de aumento da matrícula para que os jovens voltassem a estudar, e sem estudantes não há recursos para a educação. Mesmo com a conquista do direito do Piso Salarial eles não receberam o piso nem no ano de 2013 e nem de 2014. A prefeita continua sem apresentar alternativas para que se possa cumprir com a legislação", informou a educadora.

O município apresentou um aumento de 7, 28% no seu Fundo de Participação dos Municípios, sendo em 2012 R$ 6.279.538, 64 e em 2013 R$ 6.736.633,77. O Fundeb e o ICMS também apresentaram um crescimento. Mesmo tendo os recursos a gestão não tem mudado a realidade da educação em Malhador.

Realidade das Escolas

Algumas Escolas estão em situações precárias, como é o caso da Escola Municipal Luiz Braile do povoado Palmeiras, que está com o muro caindo, expondo os estudantes ao risco.

Já a Escola Municipal José Joaquim Pacheco apesar de ter passado por reformas, as paredes ainda se encontram rachadas, faltam carteiras nas salas de aula, enquanto tem carteiras novas doadas pelo FNDE que estão empacotadas e empilhadas no pátio e em salas.

Os alunos e alunas iniciaram o ano letivo sem alimentação escolar, e não houve qualquer justificativa para a falha.

Os educadores continuam na luta para que a prefeitura priorize o investimento na educação do município e na valorização dos trabalhadores em educação.

Da assessoria

Gostou? Compartilhe:

Comente Abaixo