Opinião

Igreja e Prefeitura de Itabaiana se acirram pelo Laudêmio (matéria retificada)

Imposto das almas como é conhecido interessa a todos os dois.
por Redação do Portal Itnet
27/02/2015 08:10h
Atualizado em 27/02/2015 13:48h

A paroquia de Itabaiana recebeu uma herança dos antepassados, quando isso tudo ainda era uma grande fazenda pertencente ao clero. Hoje, os imóveis que são vendidos no município nesta região precisam pagar 2,5% a paróquia de Santo Antônio e Almas de Itabaiana.

Retificação: Em relação à área de abrangência do terreno da irmandade de Santo Antônio e Almas, não se trata de um raio de 7 km, na verdade existe um mapa o qual a paróquia irá disponibilizar, onde são indicadas as ruas e logradouros, que ficam nesta localização. 

Esse laudêmio é pago na prefeitura de Itabaiana, no momento da efetivação da transferência de escrituras. Depois repassado para a Igreja, parte desse recolhimento fica com a administração pública. A primeira duvida é: quem recebia esse dinheiro e para onde ia os recursos?

Nunca vi uma obra feita em nenhuma gestão, com uma placa "essa obra foi feita com o dinheiro do laudêmio" .

A Igreja se organizou e quer trazer o recolhimento para a paroquia, no entanto, a prefeitura sabendo dessa baixa financeira, de um dinheiro de contabilidade frágil, não gostou nada disso.

O Prefeito argumentou que isso pode ser algo com o intuito de prejudicar a sua administração, porem, Igreja não abre mão, pois afirma já possuir corpo administrativo capaz de realizar a cobrança.

Nos bastidores, o discurso é de que tudo isso aconteceu em completa harmonia. Mas independente desses fatos, a Igreja é sem dúvida a proprietária do direito da cobrança, e cabe a ela faze-lá onde bem entender.

Como diz os mais velhos, "em Itabaiana alma come", e onde se envolve dinheiro, está envolvido problemas. 

Saiba mais:

O laudemio surgiu no período colonial. Nessa época, o Brasil pertencia à coroa Portuguesa, a qual distribuía porções do território nacional a quem se dispusesse a cultivá-los. Em troca, cobrava uma contribuição (semelhante a um pedágio) por estes quinhões, que passaram a ser classificados como terras aforadas e, em caso de comercialização, teria que ser pago o laudêmio, que sobrevive até hoje.

Em Itabaiana, a irmandade de Santo Antônio e Almas foi criada em 1655, e nesta época a igreja de Itabaiana estava sendo construída em uma propriedade privada, o pároco a época de São Cristóvão era responsável pelas celebrações em Itabaiana. Esse Padre comprou o terreno e vendeu a Irmandade Santo Antônio e Almas, com a condição de que ali fosse construída a igreja, e assim foi feito. Essas terras foram doadas para construções de residências, e assim foi desenvolvendo a povoação da localidade.

A mudança ocorrerá a partir do dia 02 de março. A partir desta data, a taxa será paga na Secretária da Paróquia de Santo Antônio e Almas. O valor é cobrado na proporção de 2,5% do valor do terreno de venda.Texto de Jamyson Machado e Aparecido Santana.

Gostou? Compartilhe:

Comente Abaixo